Documento sem título
 
Veja também
 
12/11/2019
Semente de abóbora: alimento riquíssimo e versátil!
12/11/2019
Como diminuir a sobrecarga no joelho durante a corrida?
12/11/2019
Alimentação funcional: você sabe o que é?
05/11/2019
Pele do pescoço é a primeira a ficar flácida ao envelhecer
05/11/2019
Comer um abacate por dia reduz o colesterol
 
 
Notícia - Por que a ioga alivia o envelhecimento? 17/09/2019
Por que a ioga alivia o envelhecimento?

O Instituto Nacional de Pesquisas em Saúde da Inglaterra anunciou recentemente o investimento de cerca de R$ 7 milhões em um estudo que avaliará os efeitos da ioga para idosos que apresentam condições mais frágeis de saúde.

A iniciativa inglesa espelha uma tendência mundial observada em outras instituições científicas de renome que tem por objetivo descobrir quais os reais benefícios da prática para a saúde e de que forma eles ocorrem, especialmente no organismo de pessoas mais velhas.

“A ioga tem sido muito estudada por seus potenciais e variados impactos positivos, como aumento da força, da flexibilidade e da qualidade de vida, mas é preciso conhecer mais a respeito de sua efetividade e custos”, explicou GarryTew, professor do Departamento de Esporte, Exercício e Reabilitação da Universidade da Nothumbria, na Inglaterra. A instituição conduzirá o trabalho em conjunto com a Universidade de York.

A ciência está de olho na ioga desde que a prática conquistou o Ocidente. Os relatos de bem-estar e de condicionamento físico registrado por adeptos chamam a atenção e estimulam centenas de trabalhos ao redor do mundo. Até hoje, as evidências científicas demonstram que, de fato, os exercícios promovem saúde, inclusive a mental, contribuindo para reduzir a ansiedade e a depressão.

Uma das mais recentes publicações sobre o tema foi feita no jornal científico Restorative Neurology and Neuroscience e descreveu uma pesquisa que sugere benefícios no controle da artrite reumatoide, doença autoimune crônica.

O impacto, disseram os autores da pesquisa, foi maior no alívio da depressão que pode acompanhar a manifestação da enfermidade por conta das limitações que podem surgir em sua decorrência, como dor constante ou dificuldades de movimento.

Muito do que se quer, agora, é compreender por meio de quais mecanismos os benefícios acontecem. Na Inglaterra, por exemplo, os cientistas irão recrutar cerca de 600 indivíduos com mais de 65 anos portadores de condições crônicas, como diabetes, moradores de doze localidades. Eles participarão de um programa de exercícios executado ao longo de quatro meses e terão sua saúde avaliada antes e depois.

No Brasil, são realizados trabalhos semelhantes. Um estudo liderado pelo educador físico Rui Ferreira Afonso, pesquisador do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa (IIEP), mostrou que mulheres acima de 60 anos que praticam ioga com freqüência desempenham melhor atividades do dia a dia que exigem flexibilidade, equilíbrio, força e coordenação motora fina. Chamados de valências físicas, estes atributos são importantes para a garantia de um envelhecimento com maior qualidade de vida.

Participaram da pesquisa 42 mulheres com idade igual ou superior a 60 anos – a média de idade foi 67 anos. Destas, 21 praticavam duas vezes por semana por pelo menos oito anos. A outra metade das voluntárias nunca havia feito qualquer intervenção corpo-mente.

“O estilo de vida, que inclui alimentação e atividade física, é fundamental para um envelhecimento saudável e com autonomia. A ioga é uma prática meditativa que exercita a mente e o corpo por trabalhar com atenção sustentada e movimentos físicos que inclusive gastam energia”, explica Afonso.

As mulheres realizaram cinco testes físicos que mediram atributos como força, flexibilidade e equilíbrio. “Com o avanço da idade, as pessoas perdem capacidades físicas. Boa parte das quedas, por exemplo, acontece logo depois que um idoso levanta de uma cadeira, sofá, cama ou banco.

Ele perde o equilíbrio e como seus membros inferiores têm menos força, cai”, diz o pesquisador. Um dos testes, chamado Timed Up and Go, mede exatamente esta capacidade. Cada idosa levantou-se da cadeira, caminhou por três metros e voltou a se sentar.

Fonte: Womens Health Brasil
     
Documento sem título
 
CNPJ: 56.792.997/0001-14

Rua Santa Rita, 1471 - Centro
Itu / SP - CEP: 13300-065

Farmacêutica Responsável:

Eli A. Cacciolari Caputo - CRF-SP: 9448
Normas de Qualidade
Copyright © 2013 - Todos os direitos reservados
Produzido por FrameSet
 
Farmácia   Produtos
Nossa História   Cosmética e Beleza
Laboratórios   Saúde e Nutrição
Manipulação   Homeopatia
    Linhas de Revenda
Atendimento    
Fale Conosco  
Orçamento Online  
Fale com o Farmacêutica